Apresentação

Gerar, disseminar e debater informações sobre ADULTERAÇÃO DO LEITE, sob enfoque de Saúde Pública, é o objetivo principal deste Blog produzido no Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde - LabConsS da FF/UFRJ, com participação de alunos da disciplina “Química Bromatológica” e com apoio e monitoramento técnico dos bolsistas e egressos do Grupo PET-Programa de Educação Tutorial da SESu/MEC.

Recomenda-se que as postagens sejam lidas junto com os comentários a elas anexados, pois algumas são produzidas por estudantes em circunstâncias de treinamento e capacitação para atuação em Assuntos Regulatórios, enquanto outras envolvem poderosas influências de marketing, com alegações raramente comprovadas pela Ciencia. Esses equívocos, imprecisões e desvios ficam evidenciados nos comentários em anexo.

domingo, 31 de agosto de 2008

Adulteração de Leite - Fantástico TV Globo

4 comentários:

Anônimo disse...

O leite é um produto muito importante para a economia brasileira. Nosso país é o quinto maior produtor de leite do mundo. Além disso, vale ressaltar o fato de este ser um alimento essencial à vida humana, principalmente para crianças e idosos. Por tudo isso, deve ser realizada uma análise criteriosa da qualidade do leite. Adulterações como estas devem preocupar as autoridades e levar a um maior controle da produção.
A adição de soro de queijo ao leite é de difícil detecção, uma vez que o soro é um derivado do próprio leite. Esse tipo de adulteração é economicamente atrativo pelo fato de o soro apresentar baixo custo e ser um resíduo da produção de queijos. Contudo, essa fraude acarreta em perda nutricional para o consumidor. O teor de proteínas contido no leite é cerca 8% menor com a adulteração.

Bruna Beck Pereira disse...

O leite é um produto muito importante para a economia brasileira. Nosso país é o quinto maior produtor de leite do mundo. Além disso, vale ressaltar o fato de este ser um alimento essencial à vida humana, principalmente para crianças e idosos. Por tudo isso, deve ser realizada uma análise criteriosa da qualidade do leite. Adulterações como estas devem preocupar as autoridades e levar a um maior controle da produção.
A adição de soro de queijo ao leite é de difícil detecção, uma vez que o soro é um derivado do próprio leite. Esse tipo de adulteração é economicamente atrativo pelo fato de o soro apresentar baixo custo e ser um resíduo da produção de queijos. Contudo, essa fraude acarreta em perda nutricional para o consumidor. O teor de proteínas contido no leite é cerca 8% menor com a adulteração.

Leticia Faria disse...

A adição de água ao leite é um tipo de adulteração e é um método muito antigo utilizado para aumentar o seu rendimento.
Quando se coloca mais água para obter maior rendimento, a densidade original do leite é mudada.
Esse tipo de alteração,além de lesar o consumidor, põe em risco a saúde do mesmo, pois a água que é adicionada muitas vezes não passa por nenhum tratamento e pode contaminar
o produto com microrganismos patogênicos.
Para mascarar a densidade alterada, são utilizados alguns reconstituintes como sacarose, amido, cloreto.
Como conservantes, podem ser adicionados:
peróxido de hidrogênio,soda caústica, bicarbonato de sódio, bicarbonato de potássio.
O peróxido de hidrogênio e soda caústica podem chegar a causar até queimaduras ao trato gastrointestinal dependendo de sua concentração.
Outro ponto importante é o descarte dessas susbtâncias ilícitas na produção do leite. A soda cáustica, quando em contato com a água gera uma elevação do pH.
Em se tratando de rios, por exemplo, essa elevação do pH gera uma mudação no meio podendo comprometer todo o ecossistema ali presente.

Referências:
http://www.bbquimica.com.br/bbq/produtos/content/peroxido_hidrogenio.pdf
www.revistas.ufg.br/index.php/vet/article/download/1146/6839
http://www.grupobrasinter.com.br/fispqs/36-SODA_CAUSTICA-ESCAMA.pdf

Caroline Nabarro disse...

A prática ilegal de adulteração do leite possui como objetivo a alteração do volume e, consequentemente, o aumento da lucratividade da indústria. Para isso é realizado o processo de aguagem que se dá pela adição de água no leite, que ao final irá alterar a densidade do produto. As análises que podem ser feitas para avaliar a aguagem do leite são a crioscopia eletrônica e a avaliação da densidade pelo aparelho denominado termolactodensímetro. Porém, a forma que as indústrias fraudulentas usam para mascarar esta alteração é pela adição de solutos como, por exemplo, urina de vaca, amido, uréia agrícola, sal e açúcar. A densidade do leite deve estar entre 1,028 e 1,034 g/mL, sendo que valores inferiores a estes indicam a adição de água e valores superiores indicam a adição de solutos.
Quanto a análise de acidez, ela deve ser feita para monitorar a falta de higiene e o transporte inadequado do leite, no que diz respeito a temperatura de conservação. Isso porque com o aumento da temperatura os microrganismos irão consumir carboidratos e lactose, promovendo a formação de ácido lático, e com isso, aumentando a acidez. É justamente para mascarar esse indicador de má qualidade da conservação que ocorre a adição de substâncias como a soda cáustica para promover a neutralização.
Outras análises que podem ser realizadas para avaliação da qualidade do leite são: estabilidade ao etanol a 68%, determinação de gordura pelo método de Gerber, determinação da alcalinidade das cinzas, identificação de amido, identificação de formaldeído, identificação de peróxido de hidrogênio, determinação de fosfatase e prova de peroxidase para avaliar se a pasteurização ocorreu de forma correta e determinação do extrato seco total e desengordurado.
Vale ressaltar que a alteração deste produto que é amplamente consumido pelas famílias brasileiras irá acarretar em perda nutricional e possível dano à saúde de quem o consome, sendo então, necessária a fiscalização rigorosa pelas autoridades competentes, buscando minimizar as fraudes que levam à baixa qualidade nutricional.